Email


Sei que há muita gente que consulta este blogue e utiliza os materiais aqui publicados, mas poucos deixam comentários e eu gostava mesmo de saber a vossa opinião... :-)

terça-feira, 29 de novembro de 2011

FICHA DE TRABALHO DE PORTUGUÊS- 7º ano- com correção


Nome ___________________ Turma ____ nº ____ data ___________ Prof ____________

         Lê o conto chinês que se segue com atenção e responde às questões com frases completas.
Um problema de interpretação


1



5




10




15




20




25




30




35
          Um homem rico de nome Ting possuía avultados bens, mas era avarento e pouco dado a inovações. Por isso não possuía um poço nas suas terras.
         Como a casa era grande e abundantes as tarefas domésticas, todos os dias um criado tinha de partir para muitas léguas de distância de molde a poder trazer, em quatro baldes suspensos numa vara rija que apoiava sobre os ombros, a água necessária para o serviço da casa.
         Em regra, a água chegava demasiado tarde para alguns desses serviços e, por outro lado, o homem evidenciava um estado de cansaço que acabaria por lhe roubar a vida. Foi então que Ting decidiu, apesar da contrariedade que a decisão lhe causou, mandar construir um poço nas suas terras.
         Quando, ao fim de algumas semanas, se deu conta das vantagens da medida que tomara, desabafou com uns amigos:
         — Foi a melhor decisão que eu podia ter tomado. Agora tenho água sempre que preciso e, mandando abrir o poço perto de casa, acabei por ganhar um homem.
         Prontamente, os amigos do rico Ting trataram de espalhar a notícia. Quando já era contada na terceira ou quarta versão, propagou-se a ideia de que, ao mandar abrir o poço, ele encontrara um homem vivo lá dentro.
         A versão foi-se enriquecendo de terra em terra, de boca em boca, multiplicando-se perguntas do género: “Mas quem é o homem encontrado no poço? Qual é a sua identidade? Como conseguiu sobreviver tanto tempo metida na terra?”
          Assim enriquecida com a imaginação de cada um que a contava com palavras suas, a história chegou aos ouvidos do imperador que mandou chamar Ting à sua presença para saber tudo sobre a misteriosa descoberta.
          Amedrontado na presença do imperador, Ting que, mesmo não se considerando culpado de um ato reprovável, sentia sobre os ombros o peso de uma estranha responsabilidade, explicou com a voz trémula:
          Senhor, o que realmente aconteceu foi o seguinte: mandei abrir um poço nas minhas terras e, ao fazê-lo, poupei o esforço de um criado que todos os dias palmilhava muitas léguas para ir buscar a água de que a minha casa precisa. Por isso comentei com os meus amigos que, assim, acabara por ganhar um homem. Foi só isso que eu disse.
          O imperador sorriu, mandou-o de volta às suas terras e comentou para um dos seus conselheiros:
          — Quantas vezes sou forçado a tomar decisões a partir de histórias que se transformaram à medida que foram passando de boca em boca. Não há nada como ouvir quem, de facto, as viveu.
José J. Letria, Contos da China

I
  1. Explica, por palavras tuas, a primeira frase do texto.
  2. Que tipo de caracterização de personagem está presente em “Um homem rico de nome Ting possuía avultados bens, mas era avarento e pouco dado a inovações.” (ll. 1-2) .
  3. Quais eram os inconvenientes do facto de Ting não ter um poço nas suas terras?
3.1.        Das opções abaixo, seleciona a alínea correta:
3.1.1.   A palavra “terras”, na linha 2, significa
a.    localidade, região, território;
b.    país, pátria;
c.    parte do solo que é possível cultivar.

3.1.2.   A palavra “terra”, na linha 18, significa
a.    localidade, região, território;
b.    poeira, pó;
c.    país, pátria.
  1. Que consequência negativa sucedeu devido à distância do poço que servia as terras de Ting?
  2. Apesar de contrariado, que decisão acaba por tomar Ting?
  3. O provérbio “Quem conta um conto acrescenta-lhe um ponto.” pode ajustar-se a este conto. Porquê?
  4. Justifica o título dado deste conto.
II
  1. Faz a análise sintática da frase “Um homem rico de nome Ting possuía avultados bens” (l.1) e identifica o sujeito, o predicado e o complemento direto.
  2. Completa o quadro seguinte com a classificação dos verbos apresentados:

Verbos
Tempo
Modo
Pessoa
Número
possuía” (l. 1)




decidiu” (l. 9)




tenho” (l. 13)




acabara”(l.30)





3.    Diz a que classe de palavras pertencem os vocábulos sublinhados em Prontamente, os amigos do rico Ting trataram de espalhar a notícia. Quando já era contada na terceira ou quarta versão, propagou-se a ideia de que, ao mandar abrir o poço, ele encontrara um homem vivo lá dentro.” (ll. 15-17).

  1. Atenta no seguinte enunciado: “mandei abrir um poço nas minhas terras e (…) poupei o esforço de um criado” (ll. 27-28).
4.1.        Reescreve a frase, colocando os verbos no Futuro do Indicativo.
4.2.        Agora substitui os complementos diretos por pronomes.
BOM TRABALHO!!!                                                                       A Professora: Lucinda Cunha


Correção:
1.Ting era um homem muito rico, mas tão agarrado ao seu dinheiro que não queria fazer gastos, apesar de estar desatualizado.
2.Caracterização direta.
3.Em primeiro lugar, todos os dias um criado perdia tempo e saúde para ir buscar água; segundo, a água às vezes chegava demasiado tarde.
3.1.1.C
3.1.2. a
4.O empregado que ia todos os dias buscar água acabou por morrer devido ao cansaço.
5. Ting acabou por decidir construir um poço nas suas terras.
6. De facto, este provérbio adapta-se bem a este conto, já que uma afirmação de Ting acabou por ir evoluindo e modificando ao passar de boca em boca, de tal maneira que, no final, já não tinha nada a ver com a declaração inicial.
7.O título deste conto foi bem escolhido, pois a estória desenrola-se em torno da interpretação errada das palavras de Ting, a personagem central, quando afirmou que, ao construir o poço, ganhou um homem. Com esta declaração, Ting pretendia dizer que, com a construção do poço, não precisava de dispensar um homem para buscar a água longe, mas as pessoas acabaram por deturpar essa informação completamente.
II 1.Um homem rico de nome Ting- sujeito
possuía avultados bens- predicado
avultados bens- complemento direto
2- possuía- pretérito imperfeito; modo indicativo; 3ª pessoa; singular
Decidiu- pretérito perfeito; modo indicativo; 3ª pessoa; singular
Tenho- presente; modo indicativo; 1ª pessoa; singular
Acabara- mais-que-perfeito; modo indicativo; 1ª pessoa; singular
3.Ting-nome próprio
Notícia- nome comum contável
Ou- conjunção (coordenativa disjuntiva)
a- determinante artigo definido
de-preposição
abrir- verbo no infinitivo
vivo- adjetivo qualificativo
4.1. mandarei abrir um poço nas minhas terras e (…) pouparei o esforço de um criado(…)
4.2. mandei abri-lo nas minhas terras e (…) poupei-o(…)

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Ficha de verificação da leitura de "História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar"- com soluções

1.    Quem é o autor deste livro?
a.    ðJosé Saramago.
b.    ðJosé Eduardo Agualusa.
c.    ðLuís Sepúlveda.
d.   ðMia Couto.

2.    Qual é a sua nacionalidade?
a.    ðPortuguesa.
b.    ðChilena.
c.    ðBrasileira.
d.   ðAngolana.

3.    Onde foi apanhada Kengah pela maré negra?
a.    ðMar Mediterrâneo.
b.    ð Mar Morto.
c.    ð Mar da Mancha.
d.   ð Mar do Norte.

4.    Em que cidade mora Zorbas?
a.    ð Amesterdão.
b.    ð Hamburgo.
c.    ð Bremen.
d.   ð Estocolmo.

5.    Onde caiu Kengah?
a.    ð No pátio exterior da casa de Zorbas.
b.    ð No pátio interior da casa de Zorbas.
c.    ð Na varanda.
d.   ð No jardim, no meio dos vasos.

6.    Como se chamam os amigos de Zorbas?
a.    ð Sabetudo, Barlavento, Colonello e Secretário.
b.    ð Colonello, Harry, Matias e Sabetudo.
c.    ð Secretário, Matias, Sabetudo e Colonello.
d.   ð Sabetudo, Catavento, Colonello e Secretário.

7.    Antes de morrer, Kengah pediu a Zorbas
a.    ðque lhe tirasse as manchas de petróleo.
b.    ðque lhe desse algo para comer.
c.    ðque lhe fizesse três promessas.
d.   ðque lhe desse água.

8.    Zorbas, Colonello e Secretário foram visitar Sabetudo para lhe perguntarem se sabia
a.    ð o que deveriam fazer com a gaivota moribunda.
b.    ð como limpar nódoas de petróleo.
c.    ð como calar o chimpanzé Matias.
d.   ð onde podiam encontrar Harry.


9.    Antes de comprar o Bazar, o que fazia Harry?
a.    ðEra vendedor ambulante.
b.    ðEra marinheiro.
c.    ðEra carregador no porto.
d.   ðEra camionista.

10.Quanto é que Matias cobrava pela entrada, por pessoa, no Bazar?
a.    ð2 euros.
b.    ð2 francos.
c.    ð2 marcos.
d.   ð2 kwanzas.

11.Onde é que Sabetudo procura as informações de que necessita?
a.    ðNo Atlas.
b.    ðNo dicionário.
c.    ðNa enciclopédia.
d.   ðNo volume 18.

12.Ao consultar os livros, Sabetudo descobriu que a gaivotinha pertencia à espécie das gaivotas
a.    ðdouradas.
b.    ðamareladas.
c.    ðesbranquiçadas.
d.   ðargentadas.

13.Como era o ovo que Kengah pôs antes de morrer?
a.    ðAcastanhado.
b.    ðBranco com pintinhas azuis.
c.    ðBranco com pintinhas acastanhadas.
d.   ðBege com manchas azuis.

14.Onde foi feito o funeral de Kengah?
a.    ðNo pátio interior, debaixo de um castanheiro.
b.    ðNo jardim de Colonello.
c.    ðÀ beira da praia.
d.   ðNo pátio interior, debaixo de uma figueira.

15.A segunda parte do livro História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar começa com o capítulo
a.    ð “Uma noite triste”.
b.    ð “Zorbas começa a cumprir o prometido”.
c.    ð “Os gatos decidem quebrar o tabu”.
d.   ð “Um gato no choco”.

16.Quantos dias durou a incubação do ovo?
a.    ðQuinze.
b.    ðVinte.
c.    ðVinte e cinco.
d.   ðNão se sabe.

17.Qual foi a primeira palavra que a gaivotinha disse mal nasceu?
a.    ð “Fome!”
b.    ð “ Mamã!”
c.    ð “Socorro!”
d.   ð “Ajuda!”

18.Para dar de comer à gaivotinha, Zorbas foi buscar
a.    ðuma sardinha.
b.    ðuma batata frita.
c.    ðuma maçã.
d.   ðuma cereja.


19.Colonello é um gato que gosta de miar palavras em
a.    ðfrancês.
b.    ðespanhol.
c.    ðalemão.
d.   ðItaliano.

20.Um dia, a gaivotinha quase foi descoberta 
a.    ð pelo amigo da família.
b.    ðpor Harry.
c.    ðpela gata Bibulina.
d.   ðpelas gaivotas.

21.Zorbas escondia a gaivota bebé debaixo
a.    ðda cama.
b.    ðdos vasos.
c.    ðda fruteira.
d.   ðdo tanque.

22.Quantos gatos saltaram para a varanda de Zorbas com a intenção de comer a gaivotinha?
a.    ðUm.
b.    ðDois.
c.    ðTrês.
d.   ðQuatro.

23.Para proteger melhor a gaivotinha, Zorbas decidiu escondê-la
a.    ðem casa do poeta.
b.    ðno restaurante do René.
c.    ðno bazar de Harry,
d.   ðno museu.

24.Quem tinha por hábito gritar “Terrível! Terrível!”?
a.    ðSabetudo.
b.    ðSecretário.
c.    ðColonello.
d.   ðZorbas.


25.Um dia, o chimpanzé, além de dizer à pequena que ela não era um gato, mas uma gaivota, ainda acrescentou que
a.    ðnunca ia aprender a voar.
b.    ðZorbas não gostava dela.
c.    ða mãe a abandonou.
d.   ðos gatos queriam comê-la.

26.O chimpanzé era
a.    ðsimpático e educado.
b.    ðmalcriado e bêbado.
c.    ðtrabalhador e divertido.
d.   ðirónico, mas justo.

27.Zorbas foi conversar com o chefe das ratazanas para fazer um acordo. Em troca de não fazerem mal à gaivota, as ratazanas
a.    ðpoderiam comer o queijo que quisessem.
b.    ðtinham direito de comer páginas da enciclopédia.
c.    ðtinham passagem livre pelo pátio.
d.   ðpodiam passar pelo bazar de Harry.

28.Como era o chefe das ratazanas?
a.    ðPequeno com o nariz afiado.
b.    ðGrande, de pele escura e cheio de cicatrizes.
c.    ðGrande e gordo.
d.   ðComprido e com os olhos vermelhos.

29.Quem descobriu que a gaivotinha era fêmea foi
a.    ðBarlavento.
b.    ðMatias.
c.    ðColonello.
d.   ðSecretário.

30.Entao, os gatos nomeiam-na
a.    ðJeitosa.
b.    ðDitosa.
c.    ðFogosa.
d.   ðAmorosa.

31.A expressão “Pela tinta da lula!” foi proferida por
a.    ðSabetudo.
b.    ðMatias.
c.    ðBarlavento.
d.   ðZorbas.

32.Para ensinar Ditosa a voar, Sabetudo procurou, na enciclopédia, a letra
a.    ðV de “voar”.
b.    ðG de “gaivota”.
c.    ðL de “Leonardo da Vinci”.
d.   ðA de “asas”.

33.Barlavento era a mascote de uma draga chamada
a.    ðNapoleão I.
b.    ðOctávio III.
c.    ðDonatello II.
d.   ðHanes II.

34.Miar com os humanos era tabu pois
a.    ðos humanos não conseguiriam aceitar que os gatos os percebessem.
b.    ðos golfinhos eram domesticados por eles.
c.    ðiriam prendê-los e estudá-los como fazem com outros animais.
d.   ðsão insensíveis e não gostam dos animais.

35.Zorbas foi pedir ajuda
a.    ða Harry.
b.    ðao cozinheiro do restaurante.
c.    ðao capitão da draga de Barlavento.
d.   ðao poeta.

36.Finalmente, a gaivota começou a voar a partir da torre
a.    ðda basílica de S. Marcos.
b.    ðda catedral de S. Rafael.
c.    ðda igreja de S. Miguel.
d.   ðda sé de Hamburgo.               


1-c
2-b
3-d
4-b
5-c
6-a
7-c
8-b
9-b
10-c
11-c
12-d
13-b
14-a
15-d
16-b
17-b
18-c
19-d
20-a
21-b
22-b
23-c
24-a
25-d
26-b
27-c
28-b
29-a
30-b
31-c
32-c
33-d
34-c
35-d
36-c







 BOM TRABALHO!!! A professora: Lucinda Cunha