Email


Sei que há muita gente que consulta este blogue e utiliza os materiais aqui publicados, mas poucos deixam comentários e eu gostava mesmo de saber a vossa opinião... :-)

terça-feira, 29 de maio de 2012

Teste de 10º ano- Poetas do século XX


I

A


Lê com atenção o poema que se segue e responde com frases completas e bem estruturadas às perguntas:



Bucólica



A vida é feita de nadas:

De grandes serras paradas

À espera de movimento;

De searas onduladas

Pelo vento;



De casas de moradia

Caídas e com sinais

De ninhos que outrora havia

Nos beirais



De poeira;

De sombra duma figueira;

De ver esta maravilha;

Meu pai a erguer uma videira

Como uma mãe que faz a trança à filha.

Miguel Torga, Diário I, Coimbra, 1941



1.    O sujeito poético afirma que “A vida é feita de nadas” (v.1).

1.1.        Regista os “nadas” a que se refere”.

1.2.        Interpreta o verso acima transcrito.

2.    Explicita a importância que os “sinais/ De ninhos que outrora havia/ Nos beirais” (vv. 7-9) assumem no poema.

3.    Identifica o sentimento expresso pelo “eu” poético ao ver o pai “a erguer uma videira” (v. 13).

4.    Refere a figura de estilo presente no último verso do poema e analisa o seu valor expressivo.





B

            Num texto bem estruturado entre 50 e 80 palavras, reflete sobre os “nadas” de que a tua vida é feita.



II



1



5


          Essa folha

          Essa folha, aí. Tão branca que nem a neve é assim tão fria. Aproximo os dedos numa espécie de carícia, tentando atenuar, diluir tanta hostilidade, mas logo recuam tocados pelo medo. É tão difícil. Porque essa brancura queima, arde silenciosa num fogo que ninguém vê. Durante muito tempo só os olhos a procuram, a contemplam. Imóveis, sem afrouxarem de intensidade. Ouvem-se quase os latidos do pulso. De súbito, os dedos distendem-se, saltam; no seu movimento de falcão já não acariciam, antes rasgam, dilaceram, perseguem a presa numa luta onde não há tréguas, vão deixando na neve sinais da sua presença, ora triunfante, ora aflita, por vezes quase morta.
Eugénio de Andrade, Poesia, Vertentes do Olhar, Fundação Eugénio de Andrade, 1995




1.    Identifica as funções sintáticas das expressões sublinhadas:

a)    “Tão branca que nem a neve é assim tão fria.”

b)    “Aproximo os dedos numa espécie de carícia”.

c)    “arde silenciosa num fogo que ninguém vê.”.

2.    “. Durante muito tempo só os olhos a procuram, a contemplam.” (vv. 3-4).

        Conjuga o verbo “procurar” nas pessoas, tempos e modos indicados:

a)    1ª pessoa do singular, do pretérito perfeito composto do indicativo;

b)    3ª pessoa do singular do pretérito mais-que-perfeito composto do indicativo;

c)    1ª pessoa do plural no futuro do presente composto, no indicativo.

d)    3ª pessoa do plural no pretérito mais-que-perfeito composto do conjuntivo;

e)    no gerúndio composto.



3.    Apresenta o campo lexical da palavra “poesia”.



4.    “ora triunfante, ora aflita, por vezes quase morta” (v. 7).

                4.1. Faz uma listagem do campo semântico de “morto/a”.



5.    Elabora frases onde incluas:

a.    um quantificador universal.

b.    um quantificador existencial.

c.    um quantificador interrogativo.



III

            Seleciona uma das hipóteses:



A-   Elabora um texto criativo e expressivo, com um mínimo de cento e trinta e um máximo de cento e oitenta palavras, iniciado por Ser jovem é…

B-   Elabora um texto expositivo sobre os hábitos alimentares dos jovens do século XXI, com um mínimo de cento e trinta e um máximo de cento e oitenta palavras.

----------------------------------------------------------------------

Atenção: *Antes de redigires o texto, esquematiza, numa folha de rascunho, as ideias que pretendes desenvolver na introdução, no desenvolvimento e na conclusão (planificação);

                   *Tendo em conta a tarefa, redige o texto segundo a tua planificação (textualização);

                   *Segue-se a etapa de revisão, que te permitirá detetar eventuais erros e reformular o texto. Para tal, consulta o conjunto de tópicos que a seguir te apresento:

Tópicos de revisão da Expressão Escrita
Sim
Não
Respeitei o tema proposto?


Estruturei o texto em introdução, desenvolvimento e conclusão?


Respeitei as características do tipo de texto solicitado?


Selecionei vocabulário adequado e diversificado?


Utilizei um nível de linguagem apropriado?


Redigi frases corretas e articuladas entre si?


Respeitei a ortografia correta das palavras?


Respeitei a acentuação correta dos vocábulos?


Identifiquei corretamente os parágrafos?


A caligrafia é legível e sem rasuras?














COTAÇÕES:



Grupo I……………………………… 100 pontos
1.1.…………………………………… 15 pontos (C=9+O=6)
1.2………………………………..…   15 pontos (C=9+O=6)
2.……………………………………...15 pontos (C=9+O=6)
3  .……………………………..………10 pontos (C=6+O=4)
4……………………………………... 15 pontos(C=9+O=6)
B………………………………………….. 30 (C=18+O=12)

Grupo II ……………………………………….. 50 pontos
1………………………………………………… 12 pontos
2………………………………………………… 15 pontos
3 ………………………………………………….7 pontos
4 ………………………………………………….7 pontos
5 ………………………………………………….9 pontos
Grupo III…………….………... 50 pontos (C=30+O=20)


                       Conteúdo = C                                                        Organização e Correcção Linguística = O


BOM TRABALHO!              
A DOCENTE:  Lucinda Cunha





Correção do teste

I (questões e respostas deste grupo retiradas do manual Página seguinte, 10º ano, p. 171,  Texto editores

A

1.1.        “grandes serras paradas”; “searas onduladas”; “casas de moradia”; “poeira”; “sombra de uma figueira”;  “de (…) ver (…) meu pai a erguer uma videira”.

1.2.        A vida é um conjunto de realidades aparentemente insignificantes que nos rodeiam, histórias e emoções que perduram na memória de cada um de nós.

2.      Os “sinais/ De ninhos que outrora havia /Nos beirais” constituem-se como símbolos do espaço habitado no passado, suspenso e guardado na memória do “eu” poético.

3.      Admiração.

4.      Comparação. O pai do sujeito poético erguia a videira com o mesmo cuidado e dedicação com que uma mãe faz uma trança no cabelo da filha. Esta comparação valoriza o afeto do homem pela terra-mãe e o amor maternal.

B. Resposta livre.

II.

1.    predicativo do sujeito; complemento direto; sujeito

2.    tenho procurado; tinha procurado; teremos procurado; tivessem procurado; tendo procurado;

3.    poeta, versos, rima, métrica, ritmo, sensibilidade, emotividade, expressividade, criatividade, recursos expressivos, metáfora, comparação… ;/ 

4. estar morto por algo; morto de cansaço; olhos de carneiro mal morto; fingir-se de morto; morto e enterrado; nem morto; tempo morto; ponto morto; não ter onde cair morto; capaz de acordar um morto…

5.  a. Todos os homens são mortais.

     b. Vários alunos faltaram à aula.

     c. Quantos bolos comeste?

III. Resposta livre

domingo, 27 de maio de 2012

Ficha de leitura do Ato I de O Colar de Sophia de Mello Breyner Andresen- com soluções

Peço desculpa, mas, em final de ano letivo, o trabalho acumula-se e o tempo para atualizar o blogue diminui.
Aqui fica mais uma ficha de leitura de uma das obras sugeridas pelo Programa de Português para o Ensino Básico:


COLOCA AS ALÍNEAS CORRETAS NO QUADRO:
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10










11
12
13
14
15
16
17
18
19
20












1.     A autora de O Colar é

a.     Agustina Bessa-Luís.

b.     Lídia Jorge.

c.     Cecília Meireles.

d.     Sophia de Mello Breyner Andresen.



2.     O Ato I desenrola-se, por inteiro,

a.     no jardim da casa de Vanina.

b.     na sala de jantar.

c.     no quarto de Vanina.

d.     na cozinha.



3.     A ação da peça desenrola-se em Itália, na cidade de

a.     Roma.

b.     Milão.

c.     Génova.

d.     Veneza.



4.     Vanina e Pietro conheceram-se

a.     em casa do Comendador Zorzi.

b.     durante a festa de Natal em casa dela.

c.     em casa de Giovanna, prima de Pietro.

d.     na igreja.



5.     No dia em que se conheceram, Pietro ofereceu a Vanina

a.     uma rosa vermelha.

b.     um lenço azul de cetim.

c.     um colar.

d.     um anjo feito em papel.



6.     Como estava na miséria, Pietro, para ganhar a vida,

a.     trabalhava como alfaiate.

b.     era ajudante do padre.

c.     cantava em festas e serões.

d.     era vendedor de tapetes.



7.     Vanina fica a saber, por Giovanna, que Pietro

a.     não é de confiança.

b.     tinha de se casar com uma rapariga rica.

c.     vai partir para Florença na semana seguinte.

d.     vivia com a mãe, que era muito doente.



8.     Vanina vive com

a.     os pais e a criada.

b.     o tutor e os criados.

c.     uma irmã mais velha e rezingona.

d.     uma tia-avó materna.



9.     A aia de Vanina chama-se

a.     Geraldina.

b.     Bonina.

c.     Armandina.

d.     Francesca.



10.  Vanina recebe um

a.     ramo de rosas vermelhas e um bilhete de Pietro.

b.     uma carta de um admirador que quer marcar um encontro.

c.     um anel de noivado enviado pelo Comendador.

d.     um convite para jantar em casa do seu pretendente, o Comendador Zorzi.



11.  Para que não a reconhecessem quando foi, às escondidas, procurar Pietro pela cidade, Vanina

a.     vestiu-se com as roupas da sua aia.

b.     colocou um véu que lhe escondia o rosto.

c.     colocou um enorme chapéu que lhe tapava a cara.

d.     usou uma máscara de carnaval.



12.  Para despistar a sua aia, Vanina

a.     fingiu que se estava a sentir mal, para que a acompanhante fosse buscar água.

b.     escondeu-se quando passou por uma rua apertada.

c.     deixou-a sentada numa igreja.

d.     aproveitou para fugir quando entrou numa livraria.



13.   Vanina não conseguiu falar com Pietro pois

a.     a criada dele mentiu-lhe.

b.     o rapaz tinha partido para Florença mais cedo do que o previsto.

c.     a aia encontrou-a a tempo.

d.     não o encontrou em lado nenhum.



14.   No entanto, Vanina ficou a saber, por um rapaz,

a.     que Pietro ia fazer uma serenata a uma mulher por quem estava apaixonado.

b.     que o seu pretendente, o comendador, andava à sua procura.

c.     que o seu tio tinha tido um problema de saúde e que tinha de regressar a casa.

d.     que Pietro não tinha ido para Florença, mas para Nápoles.



15.  Nessa mesma noite,

a.     Pietro foi cantar uma serenata a Vanina a pedido do Comendador.

b.     o Comendador disse a Vanina que ela tinha dois dias para pensar no seu pedido de casamento.

c.     a sua aia morreu de um problema de fígado.

d.     uma criada foi apanhada numa situação constrangedora com o rapaz das mercadorias.



16.  Vanina pediu ao Comendador

a.     um colar de pérolas africanas.

b.     que lhe desse um prazo maior para pensar na sua proposta de casamento.

c.     que não tivesse esperanças, pois nunca o amaria.

d.     que contratasse Pietro para cantar durante o jantar que daria no dia seguinte.



17.  No dia seguinte, o Comendador enviou a Vanina

a.     uma carta de amor.

b.     um vestido de veludo verde para usar no jantar.

c.     um colar de pérolas.

d.     um alfinete de peito em ouro.



18.  Vanina comenta com a sua criada que a aia

a.     é apaixonada pelo Comendador.

b.     não desempenha bem as suas funções.

c.     é desleixada com a sua aparência.

d.     merecia casar com o seu tio.



19.  Vanina acha que o Comendador Zorzi

a.     é atraente e muito inteligente.

b.     parece um peru estufado.

c.     é aborrecido e demasiado doente.

d.     parece um sapo velho.



20.  O Ato I acaba com

a.     Vanina a chorar de desgosto.

b.     o tutor de Vanina a repreendê-la por ela não querer casar com o Comendador.

c.     Pietro a cantar.

d.     a tia do Comendador a desmaiar.

BOM TRABALHO!!!              
 A prof. Lucinda Cunha
Soluções:

1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
 c
 b
 d
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
 b
 d
 a
 d