Email


Sei que há muita gente que consulta este blogue e utiliza os materiais aqui publicados, mas poucos deixam comentários e eu gostava mesmo de saber a vossa opinião... :-)

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Memorial do Convento- retrato do Portugal setecentista

Trabalho realizado há mais de 10 anos sobre o romance de Saramago, Memorial do Convento. Assim sendo, não está de acordo com o Novo AO e as notas bibliográficas também estão ultrapassadas, mas foi um trabalho avaliado com 17 valores e que me deu muito trabalho a fazer. Espero que vos seja útil para a compreensão global da obra e da época na qual se insere.


terça-feira, 23 de abril de 2013

Brincar com a língua :-D


Neste Dia Mundial do Livro, aqui fica uma brincadeira sobre o campo semântico da palavra "macaco" e os seus variados usos.



Um animal bem divertido
que povoa a linguagem
é nosso parente afastado:
é o macaco selvagem!

Tanto se encontra no sótão,
a fazer o que ele quer,
como se tira do nariz!
Coisa feia de se ver!

Se alguém te vem chatear
e te deixa a cabeça em cacos,
há uma fácil solução:
mandá-lo pentear macacos!

Vejam só, que coisa espantosa!
Há macacos que são fatos!
São macacos que se  vestem
nos mais variados atos.

Quando acontece a pouca sorte
de termos um pneu furado,
só resolvemos a situação
se estiver na mala do carro.

Têm um planeta que é só seu,
onde são donos e senhores.
Não sei onde ele fica,
mas vou contigo, se tu fores.
(Lucinda Cunha- 23-04-2013)

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Soneto a um professor desempregado

Fica aqui a minha homenagem a todos os professores desempregados que sofrem por lhes estar a ser negada a sua razão de viver! Um poema em medida nova, para falar de um velho problema, mas cada vez mais presente. Querem acabar com o nosso sonho, mas nós não vamos deixar que se transforme em pesadelo!


Vem amor! Vem deitar-te aqui comigo!
Deixa todos os problemas lá fora
E para de sofrer. Agora é hora
De dormir e não pensar no castigo

Que é ser na vida um pobre sem abrigo,
Sem escola. O que é necessário agora
É olhar em frente e, sem mais demora,
Saberes que tens aqui um ombro amigo.

Bem vejo como são longos os meses
Que passas longe dos livros da escola.
Sacode a tristeza e verás! Por vezes

A esp'rança renasce antes de sumir.
Limpa as lágrimas, pega na viola,
Que destruir-te não vão conseguir!
Lucinda Cunha (17-04-2013)

Os Maias- teste formativo- educação portuguesa VS educação inglesa- com proposta de correção