Email


Sei que há muita gente que consulta este blogue e utiliza os materiais aqui publicados, mas poucos deixam comentários e eu gostava mesmo de saber a vossa opinião... :-)

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Mais uma ficha sobre frase complexa (com soluções)


 ORAÇÕES COORDENADAS E SUBORDINADAS
***FICHA DE TRABALHO***

  1. Lê com atenção o início do conto “Singularidades de uma rapariga loira” de Eça de Queirós:

       “Começou por me dizer que o seu caso era simples – e que se chamava Macário...
Devo contar que conheci este homem numa estalagem do Minho. Era alto e grosso: tinha uma calva larga, luzidia e lisa, com repas brancas que se lhe erriçavam em redor: e os seus olhos pretos, com a pele em roda engelhada e amarelada, e olheiras papudas, tinham uma singular clareza e rectidão – por trás dos seus óculos redondos com aros de tartaruga.   
      Tinha a barba rapada, o queixo saliente e resoluto. Trazia uma gravata de cetim negro apertada por trás com uma fivela; um casaco comprido cor de pinhão, com as mangas estreitas e justas e canhões de veludilho. E pela longa abertura do seu colete de seda , onde reluzia um grilhão antigo – saíam as pregas moles de uma camisa bordada.
      Era isto em Setembro: já as noites vinham mais cedo, com uma friagem fina e seca e uma escuridão aparatosa. Eu tinha descido da diligência, fatigado, esfomeado, tiritando, num cobrejão de listas escarlates.
    Vinha de atravessar a serra e os seus aspectos pardos e desertos. Eram oito horas da noite. Os céus estavam pesados e sujos. E, ou fosse um certo adormecimento cerebral produzido pelo rolar monótono da diligência, ou fosse a debilidade nervosa da fadiga, ou a influência da paisagem descarpada e chata, sob o côncavo silêncio nocturno, ou a opressão da electricidade, que enchia as alturas o facto é que eu, que sou naturalmente positivo e realista, tinha vindo tiranizado, pela imaginação e pelas quimeras.”


1.1.        Sublinha, no excerto, todas as frases simples.
  1. Reescreve a frase simples “Tinha a barba rapada, o queixo saliente e resoluto.” e transforma-a numa frase complexa.
2.1.        Classifica as orações dessa nova frase.
  1. Transcreve frases complexas que obedecem às seguintes descrições:
3.1.        oração subordinada  substantiva relativa completiva.
3.2.        oração coordenada disjuntiva.
3.3.        oração subordinada adjectiva relativa explicativa.
  1. Atenta na frase que se segue: “Verificou-se que alguns computadores não tinham instalados o software e as fontes necessárias para trabalhar, o que dificultou algumas tarefas e retirou capacidade de resposta.”
4.1.        Transcreve:
a)    a oração subordinada substantiva completiva.
b)    a oração subordinante.
c)   a oração adjectiva relativa explicativa.
4.2.        Selecciona, a partir da frase transcrita em 4.:
a)    um sujeito simples.
b)   um complemento directo.
  1. O prédio que contém a referida fracção localiza-se numa zona suburbana”.
5.1.        Divide e classifica as orações.
5.2.        Refere as funções sintácticas das palavras destacadas.
  1. “Bem notámos que mentia!”. A oração subordinada é
6.1.        adjectiva restritiva.
6.2.        substantiva completiva.
6.3.        adverbial consecutiva.
Bom trabalho!!!
A PROFESSORA: Lucinda Cunha

Correção:
1.  “Começou por me dizer que o seu caso era simples – e que se chamava Macário...
Devo contar que conheci este homem numa estalagem do Minho. Era alto e grosso: tinha uma calva larga, luzidia e lisa, com repas brancas que se lhe erriçavam em redor: e os seus olhos pretos, com a pele em roda engelhada e amarelada, e olheiras papudas, tinham uma singular clareza e rectidão – por trás dos seus óculos redondos com aros de tartaruga.   

      Tinha a barba rapada, o queixo saliente e resoluto. Trazia uma gravata de cetim negro apertada por trás com uma fivela; um casaco comprido cor de pinhão, com as mangas estreitas e justas e canhões de veludilho. E pela longa abertura do seu colete de seda , onde reluzia um grilhão antigo – saíam as pregas moles de uma camisa bordada.
      Era isto em Setembro: já as noites vinham mais cedo, com uma friagem fina e seca e uma escuridão aparatosa. Eu tinha descido da diligência, fatigado, esfomeado, tiritando, num cobrejão de listas escarlates.
    Vinha de atravessar a serra e os seus aspectos pardos e desertos. Eram oito horas da noite. Os céus estavam pesados e sujos. E, ou fosse um certo adormecimento cerebral produzido pelo rolar monótono da diligência, ou fosse a debilidade nervosa da fadiga, ou a influência da paisagem descarpada e chata, sob o côncavo silêncio nocturno, ou a opressão da electricidade, que enchia as alturas o facto é que eu, que sou naturalmente positivo e realista, tinha vindo tiranizado, pela imaginação e pelas quimeras.”
2. Tinha a barba rapada e o queixo era saliente e resoluto.
2.1. Oração coordenada+Oração coordenada copulativa
3.1. "que o seu caso era simples"
3.2. "ou fosse um certo adormecimento"
3.3. "onde reluzia um grilhão antigo"
4.1.       
a)    a oração subordinada substantiva completiva:que alguns computadores não tinham instalados o software
b)      a oração subordinante: Verificou-se
d)   a oração adjectiva relativa explicativa: o que dificultou algumas tarefas e retirou capacidade de resposta
4.2.a) alguns computadores
b) o software
5.1. “O prédio que contém a referida fracção localiza-se numa zona suburbana”. (oração sublinha é adjetiva restritiva e a outra é a subordinante)
5.2. O prédio: sujeito; numa zona suburbana: modificador do grupo verbal.
6- 6.2

Sem comentários:

Enviar um comentário