Email


Sei que há muita gente que consulta este blogue e utiliza os materiais aqui publicados, mas poucos deixam comentários e eu gostava mesmo de saber a vossa opinião... :-)

sexta-feira, 20 de maio de 2011

FICHA DE TRABALHO SOBRE CONHECIMENTO EXPLÍCITO DA LÍNGUA-12ºANO

/

1

5


10


15


20


25
                                             D. João V, o mulherengo (1689-1750)
                                                                                                           Reinado: 1706-1750
“É provavelmente o Rei mais conhecido pelas suas relações extraconjugais. E de todas as amantes, a mais famosa terá sido a madre Paula Silva, uma jovem morena, freira do Convento de Odivelas, para quem D. João V mandou construir aposentos sumptuosos, com tectos em talha dourada, onde era servida por nove criadas. Segundo o livro Amantes dos Reis de Portugal, de Paula Lourenço, Ana Cristina Pereira e Joana Troni, as camas eram de dossel, forradas com lâmina de prata e rodeadas de veludos vermelhos e dourados, e os jarros onde urinava eram de prata.
Ao longo dos 10 anos que durou esta relação, o Rei deu-lhe um rendimento anual de 1708$000 réis, segundo o livro As Amantes de D. João V, de Alberto Pimentel. Mas apenas podia ir para Odivelas ter relações com a freira quando o médico do paço o autorizava.
Em 1720, quando a madre Paula tinha 19 anos, deu à luz Gaspar, que era já o quarto filho bastardo do Monarca. O primeiro tinha nascido já após o casamento com D. Maria Ana de Áustria e era filho da sua primeira namorada, D. Filipa de Noronha, irmã do marquês de Cascais, seduzida quando D. João tinha apenas 15 anos.
Seguiram-se os três bastardos de D. João V que ficaram conhecidos como os Meninos de Palhavã (por terem vivido num palácio nessa zona de Lisboa). Antes da madre Paula, nas suas primeiras visitas ao Convento de Odivelas, o Rei foi íntimo de uma freira francesa, que deu à luz D. António, e de outra religiosa portuguesa, mãe de D. Gaspar, que chegou a ser arcebispo de Braga. O Rei reconheceu estes seus três filhos ilegítimos numa declaração assinada em 1742.
Depois, D. João V envolveu-se ainda com uma cigana, Margarida do Monte, mas enviou-a para um convento, de forma a que deixasse de receber outros amantes. Marcante foi ainda D. Luísa Clara de Portugal, uma loira casada e já com três filhos que o Monarca terá conquistado com este piropo: “Flor da murta, raminho de freixo; deixar de amar-te é que eu não deixo!” A última amante foi a actriz italiana Petronilla Basilii, numa altura em que o Rei tinha já 50 anos, e precisava de pedir a um amigo que fosse aos boticários de Lisboa para lhe comprar afrodisíacos.
In revista Sábado, nº 355


Assinala as alíneas corretas:
1.     “É provavelmente o Rei mais conhecido pelas suas relações extraconjugais.” (l.1). O adjetivo está no grau
a.     superlativo absoluto analítico.
b.     superlativo relativo de superioridade.
c.     normal.
d.     comparativo de superioridade.

2.     Na mesma frase, o sujeito é
a.     simples.
b.     composto.
c.     nulo indeterminando.
d.     nulo subentendido.


3.     O processo de formação da palavra “extraconjugais” é
a.     composição morfológica.
b.     composição morfossintática.
c.     derivação por parassíntese.
d.     derivação por prefixação.

4.     No enunciado “a mais famosa terá sido a madre Paula Silva, uma jovem morena, freira do Convento de Odivelas” (ll.2-3), que função sintática desempenha a expressão realçada?
a.     Complemento direto.
b.     Predicativo do sujeito.
c.     Modificador restritivo.
d.     Complemento oblíquo.

5.     Ainda no mesmo enunciado, que função sintática é desempenhada por “uma jovem morena” e “freira do Convento de Odivelas”?
a.     Complemento direto.
b.     Predicativo do complemento direto.
c.     Modificador da frase.
d.     Modificador apositivo.

6.     O complexo verbal da frase do exercício 4. é composto por:
a.     verbo auxiliar dos tempos compostos + verbo principal.
b.     verbo auxiliar da passiva + verbo principal.
c.     verbo auxiliar aspetual + verbo principal.
d.     verbo auxiliar temporal + verbo principal.

7.     Classifica a oração “onde era servida por nove criadas” (l.4).
a.     Oração subordinante.
b.     Oração subordinada adjetiva restritiva.
c.     Oração subordinada adjetiva explicativa.
d.     Oração subordinada substantiva relativa sem antecedente.

8.     Refere a função sintática desempenhada por “por nove criadas”.
a.     Complemento agente da passiva.
b.     Complemento oblíquo.
c.     Complemento indireto.
d.     Modificador do grupo verbal.

9.     O complexo verbal “podia ir” (l.10) é composto por
a.     verbo auxiliar aspetual + verbo principal.
b.     verbo auxiliar temporal + verbo principal.
c.     verbo auxiliar dos tempos compostos + verbos principal.
d.     verbo auxiliar modal + verbo principal.

10.   Em “quando o médico do paço o autorizava” (l. 9), no que diz respeito às palavras destacadas, estas são, respetivamente,
a.     determinante artigo definido e determinante artigo definido.
b.     determinante artigo definido e pronome pessoal.
c.     determinante artigo definido e pronome indefinido.
d.     determinante artigo definido e pronome demonstrativo.

11.   que era já o quarto filho bastardo do Monarca” (ll. 11-12). Classifica esta oração.
a.     Subordinante.
b.     Subordinada substantiva completiva.
c.     Subordinada substantiva relativa sem antecedente.
d.     Subordinada adjetiva explicativa.


12.   A que classes de palavras pertence “primeiro” (l.12)?
a.     Quantificador numeral.
b.     Pronome demonstrativo.
c.     Adjetivo numeral.
d.     Adjetivo relacional.


13.   Em que tempo se encontra o complexo verbal “tinha nascido”(l. 12)?
a.     Pretérito imperfeito composto do Indicativo.
b.     Pretérito mais-que-perfeito composto do Indicativo.
c.     Pretérito imperfeito composto do Conjuntivo.
d.     Pretérito perfeito composto do Indicativo.

14.   Classifica a oração “que ficaram conhecidos como os Meninos de Palhavã” (ll. 14-15).
a.     Subordinada adjetiva explicativa.
b.     Subordinada adjetiva restritiva.
c.     Subordinada substantiva completiva.
d.     Subordinada substantiva relativa sem antecedente.

15.   A oração “por terem vivido num palácio nessa zona de Lisboa”(l.16) é
a.     subordinada adverbial causal.
b.     subordinada adverbial temporal.
c.     subordinada adverbial concessiva.
d.     subordinada adverbial comparativa.

16.   Classifica a oração “de forma a que deixasse de receber outros amantes” (l. 21).
a.     Subordinante.
b.     Subordinada adverbial final.
c.     Subordinada adverbial causal.
d.     Subordinada adverbial consecutiva.

17.   A palavra “Depois” (l. 20) é um advérbio
a.     de predicado.
b.     de frase.
c.     de inclusão.
d.     conectivo.

18.   A locução conjuntiva “de forma a que” (l. 21) rege que modo verbal?
a.     Indicativo.
b.     Condicional.
c.     Conjuntivo.
d.     Infinitivo.

19.   O adjetivo “sumptuosos” (l.3) é um adjetivo
a.     qualificativo.
b.     relacional.
c.     numeral.
d.     caracterizador.

20.   A palavra “onde” (l. 4) é
a.     um advérbio interrogativo.
b.     um pronome demonstrativo.
c.     um advérbio relativo.
d.     um advérbio de predicado.

Bom trabalho!!!
A PROFESSORA: Lucinda Cunha

1.b
2.d
3.d
4.b
5.d
6.a
7.c
8.a
9.d
10.b
11.d
12.c
13.b
14.b
15.a
16.b
17.d
18.c
19.a
20.c


2 comentários: