Email


Sei que há muita gente que consulta este blogue e utiliza os materiais aqui publicados, mas poucos deixam comentários e eu gostava mesmo de saber a vossa opinião... :-)

sábado, 24 de novembro de 2012

Ficha sobre recursos expressivos- excertos tirados da obra História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar



Sabendo que História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luís Sepúlveda, se trata de uma obra cujas personagens são animais, o recurso expressivo dominante é, sem dúvida, a personificação. Descobre outros, associando os recursos no quadro a cada excerto retirado da obra, todos da primeira parte (atenção- um excerto pode conter mais que um recurso):

enumeração   metáfora      perífrase      ironia
comparação       assíndeto       eufemismo       adjetivação

 

1.    “Cento e vinte corpos perfuraram a água como setas (…)” (I. 1)

2.    “Saborosos arenques, Saborosos e gordos.” (I.1)

3.    Seriam então umas mil gaivotas que, como uma nuvem cor de prata, iriam aumentando com a incorporação (…)” (I.1)

4.    “O gato grande, preto e gordo olhava para ele com atenção, sentado no peitoril da janela, o seu lugar favorito.” (I.2)

5.    “Que bolachas deliciosas, estaladiças e a saber a peixe!” (I.2)

6.    “(…) ainda lhe mantinha sempre limpo o caixote de areia onde aliviava o corpo(…)” (I.2)

7.    “O leite da mãe era morno e doce, mas ele queria provar uma daquelas cabeças de peixe que a gente do mercado dava aos gatos grandes.” (I.2)

8.    “Mas Zorbas, que naquela altura era assim como uma bolinha de carvão, saiu do cesto.” (I.2)

9.    “Quatro semanas para preguiçar pelos cadeirões, pelas camas, ou para ir até à varanda, trepar ao  telhado, saltar de lá para os ramos do  velho castanheiro e descer pelo tronco até ao  pátio interior(…)” (I.2)

10.  “(…) compreendeu que a maldição dos mares lhe obscurecia a visão.” (I. 3)

11.  “Kengah, a gaivota de penas cor de prata, mergulhou várias vezes a cabeça, até que uns clarões lhe chegaram às pupilas cobertas de petróleo.” (I.3)

12.  “Atiravam ao mar milhares de litros de uma substância espessa e pestilenta que era arrastada pelas ondas.” (I.3)

13.  “Viu também alguns barcos movendo-se como diminutos objetos sobre um pano azul.” (I.3)

14.  “Kengah compreendeu que as forças não lhe iam durar muito e, procurando um lugar onde descer, voou terra adentro, seguindo a serpenteante linha verde do Elba.” (I.3)

15.  “Kengah olhou para o céu, agradeceu a todos os bons ventos que a haviam acompanhado e, justamente ao exalar o último suspiro, um pequeno ovo branco com pintinhas azuis rolou (…)” (I.4)

16.  “Zorbas desceu rapidamente pelo tronco do castanheiro, atravessou o pátio interior a toda a pressa para evitar ser visto por uns cães vagabundos, saiu para a rua, assegurou-se de que não vinha nenhum automóvel, atravessou-a e correu na direção do Cuneo, um restaurante italiano do porto.” (I.5)

17.  “─ Ai compadre! Está a ver o que eu estou a ver? Ai que gordinho tão lindo ─ miou um.” (I.5)

18.  “Estendeu lentamente a pata da frente, pôs de fora uma garra tão comprida como um fósforo e aproximou-a da cara de um dos provocadores.” (I.5)

19.  “Nas três casas, unidas por passadiços e escadas estreitas, havia perto de um milhão de objetos, entre os quais há a destacar os seguintes: 7200chapéus de abas flexíveis para que o vento os não levasse; 160 rodas de lemes(…); barcos enjoados de tantas voltas que deram ao mundo; 245 lanternas (…)” (I.6)

20.  “Colonello, Sabetudo e Zorbas observaram o corpo sem vida da gaivota (…) (I. 8)


Proposta de correção
1.    comparação

2.    adjetivação

3.    comparação

4.    adjetivação

5.    adjetivação

6.    eufemismo

7.    adjetivação

8.    comparação

9.    assíndeto

10.  metáfora

11.  perífrase

12.  adjetivação

13.  comparação

14.  assíndeto. metáfora

15.  assíndeto, eufemismo

16.  assíndeto

17.  ironia

18.  assindeto, comparação

19.  enumeração

20.  eufemismo

 

 

 

2 comentários: